5 frutas cítricas que esbanjam saúde e sabor

 

Apesar de a laranja ser a fruta cítrica mais popular na mesa do brasiliano, ela não é a única que esbanja nutrientes nesse time. Descubra mais sobre ela e mais quatro frutos desse tipo, assim uma vez que seus principais benefícios – que vão muito além da vitamina C.

1) Laranja

Nativa das regiões tropicais da Ásia, ela foi trazida para cá pelos portugueses e gostou do nosso solo. Tanto que o Brasil ocupa o topo do ranking na produção mundial. Para os cientistas, é Citrus sinensis. Para nós, seu nome deriva da termo indiana narayan, que significa perfume de dentro. De tão aromática, a laranjeira foi uma das árvores mais assíduas nos bosques de Versalhes, na idade em que os Luíses reinavam na França.

Entre as variedades dessa espécie, há desde as mais comuns, caso da laranja-pera, laranja-baía e laranja-lima, até tipos mais raros, uma vez que a cara-cara, de polpa vermelha. Além de marcar presença em sucos, o fruto cai muito em diversas preparações.

“Dá cor e sabor a saladas, bolos e molhos quentes ou frios”, ensina a nutricionista e chef Flora Spolidoro, da Day by Diet, em São Paulo. Sem olvidar o chazinho feito com a casca, bem-vindo para aquecer o corpo e minorar sintomas de gripe.

2) Limão

No reino dos limões, nem sempre aquilo que parece é. O agrônomo Orlando Passos, da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), em Cruz das Almas, na Bahia, explica que o verdadeiro limão é aquele publicado uma vez que siciliano, o Citrus limon.

“O genuíno é amarelado, grande e tem casca grossa”, descreve. Já o limão-taiti e o galego, com suas cascas verdes e que protagonizam a caipirinha, são classificados pelos botânicos uma vez que limas ácidas. Diferenças agronômicas, que para nós não são evidentes, é que levam à confusão.

Para aproveitar substâncias protetoras contra o câncer, caso do limoneno, a sugestão é consumir inclusive a casca dos frutos, batendo tudo no liquidificador. Mas tem que tomar rápido. “Se há vagar, enzimas entram em ação e só restará um repugnante amargura”, ensina a nutricionista Vanderlí Marchiori, presidente da Associação Paulista de Fitoterapia.

3) Tangerina

Estima-se que já era cultivada na Ásia há pelo menos 3 milénio anos. Mexerica, poncã, bergamota, murcote, enfim… Não importa o sobrenome, todas elas são variedades de uma espécie, a Citrus reticulada, que chegou à Europa no século 19. Aliás, o limão-rosa também faz secção dessa família, mas pertence ao grupo dos azedos, ou melhor, dos que têm suco mais ácido.

Quase todas as tangerinas têm um tipo de casca que se desprende facilmente de seus gomos – isso quando comparadas às laranjas e aos limões. A exceção é a murcote, que requer o auxílio de uma faca para ser consumida. “São ótimas opções para os lanches intermediários”, recomenda a nutricionista Renata Guirau, do Oba Hortifruti, em São Paulo.

“Na culinária, as cascas de tangerinas se prestam para o preparo de tirinhas cristalizadas ou banhadas com chocolate, assim uma vez que para decoração”, ensina Flora Spolidoro. Só é preciso caprichar na saneamento, por obséquio!

4) Lima-da-pérsia

Delicada, de casca fina, cintilante e amarela, com uma polpa esbranquiçada, a fruta pode surpreender o paladar. Embora seja uma variedade de lima guloseima, se for guardada por muito tempo em seguida a manipulação, costuma trazer à tona um paladar amargo.

Isso se dá pela ação de moléculas presentes nas pequeninas bolsas que guardam seu suco. O farmacêutico Henry Okama, da capital paulista, conta que o amargura é proveniente de um alcaloide chamado sinefrina. Daí porque muita gente recomenda consumir logo.

Extremamente perfumada, imprime essa particularidade a diversas preparações. A dica da nutricionista Renata Guirau é utilizar a lima-da-pérsia no preparo de bebidas aromatizadas. “Coloque as rodelas da fruta em uma jarra de chuva”, ensina. Também incrementa peixes e molhos.

Para constar, é originária do continente asiático e pertence ao grupo da Citrus aurantiifolia, que, aliás, é o mesmo dos limões-taiti e galego.

5) Toranja

Na gringa, é a grapefruit – ou Citrus paradisi, para os mais técnicos. Sua polpa de coloração avermelhada denuncia os carotenoides, mormente o licopeno, poderoso antioxidante que se sobressai uma vez que protetor da próstata.

Essa espécie, que, segundo relatos, é originária do Caribe, concentra certos compostos fenólicos que lhe conferem um amargura característico. Contém, ainda, algumas substâncias que podem interferir na ação de remédios, ocasionando a chamada interação medicamentosa. Já foi constatado que sua formulação atrapalha o efeito de anticoagulantes, por exemplo. Na incerteza, é melhor consultar a bula e conversar com o médico.

Para quem está livre de medicações, a dica de Flora Spolidoro é usar em saladas de folhas e queijos fortes, grelhada com mel ou um pouco de açúcar. Ops, mas pode juntar açúcar? “Nenhum substância faz mal”, responde a nutricionista. Desde que não haja excessos, fique evidente.

 

você pode gostar também
error: Temos a página de contato, se você quiser alguma coisa!